quinta-feira, maio 17

PRESIDIO DO AHÚ DESATIVADO








PRESIDIO DO AHÚ DESATIVADO
Mês que vem faz um ano que os presos foram retirados do presídio do Ahú,
no dia 11 de julho de 2006, depois de quase cem anos
de funcionamento.
Deve ser construido no lugar o Centro Judiciário de Curitiba.
Na frente já funciona a Justiça Federal, atrás uma favelinha vai
se amontoando, uma invasão em terrenos do INSS que não foram ocupados...
Da minha janela esta visão, dos escombros, do submundo, e bem atrás a esperança
coberta de nuvens... na serra do mar

Anaterra Viana



5 comentários:

bruklin disse...

Ana!! veja a homenagem que eu fiz à vc no meu blogger!!

hehehe

beijoooooooo

bruklin disse...

anaaaaaaa

mudei o endereço do meu blog, agora é www.brunabazzo.blogspot.com

muda ai!!

beijão!

Elisabeth disse...

Nossa Ana, então quem não mora em uma mansão ou uma bela casa não tem direito a ter sua residência, independente de qual valor ela seja, que vc não pode nem olhar pela sua janela q segundo suas palavras seria um sub-mundo.Realmente Ana espíritos iguais os seus envergonham qualquer pessoa vc que deveria de nem aparecer na janela que vc sim envergonha a sociedade. O lar é algo divino independente se é uma " favelinha" ou não todas as pessoas indenpendentemente de suas classe social tem direito a moradia. Mas se vc não pode enchergar tais pessoas que isso lhe incomoda, melhor coisa q vc tem a fazer é realmente fechar a sua janela.

Anaterra Viana disse...

Oi Elizabeth, que bom você por aqui...
Relamente as pessoas interpretam as coisas como querem...
Em momento algum eu quis dizer que pessoas que moram em favelas ou em menores condições naõ mereçam respeito. Ao contrário, a esperança que cito no texto acima é exatamente dessas pessoas q se amontoam por alli pq não tem outros lugares para viver e são obrigadas a fazer de lugares desocupados suas casas, com todo o direito. Inclusive, o governo do estado agora quer desapropriar aquelas casas, já que pretendem fazer agora dali um parque e um estacionamento para o departamento juridico do estado, que ali se forma. Para onde vão esas famílias?
Os "escombros e o submundo" dos quais eu me referia são os do resíduos do presídio, cheio de energias pesadas e que estavam daquele jeito no momento da foto.
E jamais deixaria de abrir minha janela para a realidade, não sou alienada e muito menos preconceituosa. Passei a vida vendo probelmas como esse, afinal de contas minha mãe, também fotógrafa sempre trabalhou no setor habitacional, passando pelo IPPUC e hoje na COHAPAR.
Obrigada por participar e me desculpe se não sou be me expressar de maneira correta, pois sua interpretação foi equivocada.

Anaterra Viana disse...

Ah, e já que se ofendeu tanto, poderia ao menos não me ofender e reler o que eu escrevi, pois você não me conhece e não pode afirmar que eu seja um espírito que envergonhe as pessoas..
Muito feio julgar assim sem nem ao menos conhecer as pessoas... esse tipo de espírito sim é que envergonha qualquer um...